8 de jul de 2013

Sobre Ætherphone e theremins de uma antena

Prezadxs,

Faz muito tempo que não publico algo mais histórico/teórico/etc aqui então agora vai uma pequena pesquisa.

Recentemente recebi meu RDS Zep - um theremin de uma antena só, que está por um preço acessível (R$300,00) - e fiz vídeo e review dele [link]. Agora queria me aprofundar no assunto, pra tirar algumas dúvidas e deixar o material aqui pra quem precisar depois.


Ætherphone  / Etherphone / Eterfone

O termo etherphone tem sido citado e de fato utilizado como intercambiável para theremin. Mas precisamos aqui discriminar o que exatamente é um etherphone. Em português a grafia utilizada por dicionários, livros e enciclopédias é eterofone (fonte 1, fonte 2), de éter + fone (não muito distante do "ondas etéreas", que são tradução literal de ether wave), e em espanhol temos visto heterófono.

O ætherphone foi o protótipo de theremin, em 1917, consistindo do gabinete com as partes eletrônicas, uma única antena vertical e um controle de volume (podendo ser em pedal, em botão para manipular com a mão esquerda, ou ambos).

Um aeterphone autêntico está em exposição no German Museum of Science and Technology (Deutsches Museum) em Munique. Ao que tudo indica ter sido fabricado em 1928 pela companhia de rádio Koch & Sterzel (Dresden) e devia ter um pedal de volume. O instrumento pode ser visto aqui:

http://farm2.staticflickr.com/1336/1116713214_90a4be7eea_o.jpg
Fonte: http://flickr.com/gp/11386895@N07/878t7D

Cópias históricas do Eterfone

O nome do "eterfone" mudou para "theremin" quando foi inventada a segunda antena (curva), então a invenção foi dada por completa e foi patenteada. Depois da patente do theremin (com duas antenas), diversas pessoas tentaram plagiar ou reinventar o seu protótipo (aetherphone, uma antena só + pedal ou botão de volume).

Martin Taubman adicionou um controle de cortar subitamente o sinal/volume e chamou o instrumento de "Electronde". No link a seguir podemos ver sua performance de 1938, em que demonstra a técnica do pizzicato ("string mechanism") em 1938:  

http://www.youtube.com/watch?v=6HSH7OTgt4U#t=2m
 

Outro thereminista que copiou esse exato modelo foi o Musaire, que provavelmente conheceu Taubman nos anos 1930, quando ambos foram filmados pela British Pathé em Londres (vídeo 1, vídeo 2). Repare que ambos os theremins de Musaire e Taubman são pintados de branco, usam articulação na mão esquerda e/ou no pé, estão apoiados sobre uma base móvel e possuem caixa de som logo abaixo do theremin. É muita coincidência, não?

Outra versão, de 1936, também baseada no protótipo do theremin (aetherphone), é o Ethonium ou Uthonium, que não tem controle de volume mas transmite ao vivo via rádio. O inventor é Andrew Solomon Manheim (cujo nome artístico era Andre Ledor, aka "The Human Radio"). Se não me engano ele era neerlandês. Segundo alguns thereministas, ele não colocou pedal de volume gradual porque isso dificultava transmitir por rádio com estabilidade. Ele apenas corta o sinal subitamente:




A técnica do Pizzicato

Atualmente um thereminista que toca com botão de corte + pedal de volume é o Gordon Charlton, obtendo excelentes resultados [link - video]. Assim como Taubman, realiza a técnica do pizzicato, ou seja, obtem um envelope sonoro apropriado e pouco thereminesco - principal (e talvez única) vantagem do eterfone comparado ao theremin.

No theremin sem alterações ou recursos adicionais é quase impossível realizar um ataque-e-corte tão súbito, de modo a tocar pizzicato ou staccatissimo. Que eu saiba, só os modelos Moog Etherwave PRO e E-wind-S são capazes de fazer pizzicato na antena curva com resultados satisfatórios. A técnica consiste em deixar a antena de volume/curva com a sensibilidade no máximo (ou seja, campo elétrico contraído, "snappy"), e pinçar com os dedos rapidamente, fazendo um tipo de acciaccatura. No registro grave, o pizzicato  vira baixo móvel, mas só funciona nos theremin top de linha. Repare os dedos dela igual baixista pinçando a corda:


O pizzicato é mais eficiente durante o glissando do grave pro agudo, pra dar o efeito de "toin" de uma corda. Também é melhor equalizar deixando o som bem brilhante e aberto:





A sobrevida do eterfone

O eterfone sobreviveu no nicho de theremin, tendo usos bastante notáveis porém confinados à Rússia.

Nos anos 1930, quem tocava theremin nas trilhas sonoras dos filmes da Rússia, na verdade usava o aetherphone e tocava sentado. Temos em vídeo gravações do assistente de Leon Theremin, Konstantin Kovalsky, em1932, no trailer do documentário stalinista Komsomol, the chief of electrification):

https://www.youtube.com/watch?v=uWc_UPk1yiI#t=57s

Em outra gravação, Kovalsky toca "FANTASY ON PERUVIAN THEMES" de Kromskoy, imitando a voz da peruana Yma Sumac, famosa "princesa Inca" do gênero "exotica" nos anos 1950 por ter uma extensão vocal de mais de 5 oitavas, e ser capaz de fazer basicamente tudo - de contralto profundo a coloraturas extremas.

Até hoje na Rússia uma galera prefere tocar sentada, com uma antena só e com controle de volume separado, por exemplo a Olga Milanich, que possui um aetherphone ORIGINAL feito por Kovalsky sob supervisão do próprio Leon Theremin! Morram de inveja:


(Links: vídeo alternativo; audio com outras fotos do mesmo instrumento antes de pintar de azul.)


Pitch only

Os theremins de uma antena só - como o modelo que ficou famoso pelo uso em Led Zeppelin - são chamados "pitch-only", ou seja, somente antena de frequência. Mas e se existisse um theremin de uma antena só, mas fosse a antena de volume? Fica aberta a questão. Por que não?


(Antes que venham me contar, sim, sei que já pensaram nisso antes, e não foi pra frente. Por isso recoloquei a questão.)

Nenhum comentário: