29 de dez de 2009

Método Rockmore para theremin com playback!

O "Método para Theremin", escrito pela sra Clara Rockmore, é mundialmente famoso por ter sido o primeiro (e ainda hoje é considerado o melhor) método para aprendizado, estudo e aperfeiçoamento no theremin, escrito pela primeira tereminista virtuosa que o mundo conheceu. Ela usa poucas palavras, vai direto ao assunto, e sugere exercícios bem genéricos para que outros pudessem atingir o alto nível de expressão artística que ela tinha dentro de um campo elétrico. O método é como um resumo das dicas e caminhos que ela indicava aos seus alunos, e, a pedido da própria virtuosa, o método deve ser distribuído gratuitamente.

http://www.electrotheremin.com/clara01.jpg
Para uso pessoal e não-comercial é liberado o download e a cópia do método, que, conforme conhecemos, foi revisado por David Miller e Jeffrey McFarland-Johnson. O livreto pode ser baixado em inglês (original) ou espanhol/italiano:

ORIGINAL EM INGLÊS (palavras da sra. Rockmore):
http://www.scribd.com/doc/24594176/Metodo-para-Theremin-Clara-Rockmore
http://spellbound.purplenote.com/RockmoreMethod.pdf

Espanhol por Oscar Alberto:
http://www.electrotheremin.com/metodoparatheremin.pdf

Italiano por Giorgio Necordi:
http://www.electrotheremin.com/metodo.pdf

...

O mundo do theremin é mesmo maravilhoso! O tereminista Roger Ballenger fez, voluntariamente, uns audios de acompanhamento para exercícios do método Rockmore, com introdução e finalização, bem musicais e agradáveis. Para obter os arquivos de audio dos exercícios, basta acessar:
http://www.ballengermusic.com/Ballengermusic/Rockmore_Method_for_Theremin.html

Obs: um som de cordas toca a parte do theremin no exercício. Se quiser sem o som de cordas, só a parte do piano, entre em contato: rballenger@socal.rr.com

---------------


No coração de todo tereminista clássico queima a chama que Clara acendeu, ao não medir esforços para tirar o theremin do campo da "curiosidade" (atração circense) e elevá-lo a nível de um instrumento de concerto, com total expressão artística.

Ela foi a primeira virtuosa - e até hoje considerada a maior por muitos - que criou o dedilhado aéreo, a base da técnica do theremin, lançando a proposta de estudar e considerar o theremin como um instrumento melódico para tocar nada menos do que Bach. Ela continua sendo, em memória, nossa inspiração e incentivo.

Sem Clara Rockmore eu e outros tereministas não estaríamos por aí, não teríamos a mesma auto-estima, não teríamos um século de história orgulhosa pra contar, não teríamos instrumentos decentes à disposição, não teríamos uma base técnica, não teríamos uma referência virtuosa, e o theremin seria menos divulgado (estaria ainda no campo dos efeitos especiais e curiosidades científicas) - praticamente alheio à musicalidade ou expressão melódica.

Gratidão eterna à Clara por transformar o theremin no instrumento que conhecemos hoje: não uma máquina bizarra de gerar sons fantasmagóricos, mas um instrumento respeitável com possibilidades musicais infinitas, sutis e precisas - desde a técnica de staccato que ela criou até suas frases melódicas vindas do coração com respiração humana.

***

SITES OFICIAIS (valem ouro):



***

BÔNUS - A PROVA DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO

O thereminista clássico Thorwald Jørgensen, revelação do ano no theremin erudito, aprendeu a tocar sozinho em menos de 2 anos usando apenas o Método Rockmore, e já toca o concerto virtuoso que foi escrito para Clara Rockmore (ela mesma o descreve no final do método, como provavelmente a peça mais difícil pra qualquer thereminista tocar). Confira nos primeiros 30 segundos do seguinte vídeo:

Tá de parabéns pela ousadia e pela dedicação, afinal, toda essa técnica não caiu do céu.

Um ensaio com acompanhamento de piano do Concertino Pastoral de Fuleihan:

Obrigado, Thorwald, por compartilhar esse pedaço de história!

21 de dez de 2009

Xmas gift from Spellbound / Cygnus Radio



Estou escrevendo com lágrimas e tremor agora, duas da madruga. Acabei de ganhar um sorteio a nível mundial, no programa Spellbound dirigido pelo radialista David Vesel na Cygnus Radio. Ele disse... "Silas from Brazil". Nem acredito. Pela primeira vez na vida ganhei um presente de natal e não sou lá de dar crédito a sorteios, quando tentei um, ganhei.

O que tornou tudo mais emocionante foi o fato de o CD que eu ganhei não ter sido oferecido na lista de itens sorteados. Foi um presente pessoal do radialista mesmo. Depois que eu já tinha desistido porque os itens oferecidos em sorteio já tinham acabado, ganhei o album “A Gray Afternoon” (2007) de ElectroMungo (Arthur Pelzmann), que foi muito importante para a carreira do David Vesel.

http://www.whitelabel-music.co.uk/images/electromungo-E.gifhttp://www.whitelabel-music.co.uk/images/electromungo-A.gif

Informações sobre os outros presentes sorteados no especial de natal de 20/12/2009: http://spellbound.purplenote.com/gift.html

------------------------------------------------------------------------------------

O presente chegou dia 24/02/10 à tardinha. Abri, olha a foto:


Clique pra ampliar


ElectroMungo: A Gray Afternoon
Número da faixa - Título [duração]
1 - Robot Jam (Dance Version) [5:12]
2 - The Dark Night Listens [4:48]
3 - A Gray Afternoon ElectroMungo [2:29]
4 - Fugu [4:48]
5 - Julia [5:23]
6 - Bunker 58 [5:27]
7 - The Invisible Neighbour [7:27]
8 - Black Sea Beach [3:40]
9 - Robot Jam (Light Version) [4:59]

No encarte ele explica o processo composicional de cada peça individualmente. Só pelo fato de ter sido gravado com o excelente theremin Kees Enkelaar, ja é um ponto positivo. No geral é música fácil de ouvir, nada "erudito" ou para elites. Gostoso, leve, ao mesmo tempo reflexivo e dançante. Ambiente? Talvez. Ouvir com atenção e ler o projeto deixa tudo muito mágico e inteligente. Um presentão que eu jamais vou esquecer. Já devo ter ouvido sem exagero umas 50 vezes o CD inteiro nessa primeira semana.

------------------------------------------------------------------------------------

OUÇAM, não é propaganda enganosa não, é simplesmente a coisa mais maravilhosa de se ouvir, um programa de rádio todo produzido com qualidade, tocando apenas coisa rara muito bem selecionada do mundo do theremin ontem e hoje (quem sabe no próximo sorteio vc possa ganhar):

http://spellbound.purplenote.com/images/NewSpellboundBannerLogo.jpg
Spellbound, um breve programa musical de theremin. De domingo pra segunda a partir de 1 da madrugada até as 3h (Sudeste do Brasil - às vezes começa meia noite). Informações:
http://spellbound.purplenote.com

2 horas de música do éter, derredor do mundo e de toda a Internet. "Spellbound" (significa: encantado, fascinado em Inglês) é o único programa desse tipo no mundo, um programa de rádio feito de performances musicais no instrumento eletrônico mais antigo (e mais exótico) que temos: o theremin. David Vesel apresenta o programa que vai do clássico/erudito ao jazz, rock, folclore, enfim, todos os estilos, realmente eclético, equilibrado, atual e informativo. Pérolas musicais, o mundo do theremin resumido em duas horas pra você começar bem a semana.


http://spellbound.purplenote.com/images/Spellbound_new_banner.jpg

FELIZ TEREMINIZAÇÃO! Tereminizar-se não é apenas comprar um theremin e aprender a tocá-lo. É o encantamento ("spellbound") que temos quando vemos ou ouvimos sobre o theremin pela primeira vez. É ouvir música feita com o theremin... e ficar encantado. Spellbound!

PS: para baixar o programa no qual eu fui sorteado: [OBS:LINKS MORTOS]
Download the 2009 Holiday Special, part 1 and part 2
Playlist: http://spellbound.purplenote.com/playlists.html

20 de dez de 2009

Teremim não!

Pelamordedeus! O THEREMIN (nome patenteado em inglês) não deve ser escrito nem pronunciado "teremim" com M no final. Em espanhol e português, apenas tiramos o H, ficando TEREMIN. É livre a acentuação da pronúncia, como oxítona [tereMIN] ou proparoxítona todavia sem acento [TEremin] - som aberto ou fechado, tanto faz.

TERMINOLOGIA

Os que defendem o uso do M no final da palavra, desconsideram a realidade fonética do português (que jamais pronuncia a consoante bilabial nasal no final de palavras), desconsideram que o termo é um nome próprio, uma marca registrada e um termo estrangeiro, e se guiam cegamente por dicionários como Michaelis, Priberam e Aurélio, ou ainda pela Wikipedia.

Aliás, usar o cérebro é bom: se quem toca teremin é tereminista, tirando o -ista resta teremin (exemplo antigo aqui). Caso o correto fosse teremim, como rezam os dicionários, o tocador de teremin seria theremimista. PQP! Os dicionários erram, vão pelo caminho mais simples. Ou vc acha que foi um especialista em theremin que escreveu o verbete?

Hoje em dia todos têm acesso ao Google, o sabe-tudo universal, não custa nada verificar o nome do instrumento antes de publicar algo... A maioria nem sempre está com razão, mas o Google mostra que o termo teremin, como tem sido usado em espanhol há décadas, é mais apropriado e mais utilizado.

Logo, se não quisermos usar o termo theremin, que escrevamos teremin, que é consagrado pelo uso e pela literatura específica (assim como pela lógica, sem ferir o radical terminado em N).


E NA REDE?

Digitando "teremim", a forma errada de escrever, na internet, encontramos material brasileiro (hehe, de onde mais poderia ser?), vejamos:

Um teremin artesanal de campo de altura reverso (sim, é como se só tivesse a zona negativa), e com a antena de volume comum, não curva, sendo tocado sem altura definida improvisadamente:


Experiências midi (acredite se quiser). Passo a passo, educativo, sem truques^^

Só tenho duas observações: 1) theremin óptico ou luminoso não é theremin, pois não possui o campo eletrostático ao redor de duas antenas e não gera o som a partir do efeito heteródino; 2) theremin com saída MIDI deixa de ser um theremin e se transforma em um controlador gestual - um outro instrumento. Um controlador gestual, sim, pode ser óptico, como quiser, o importante é não confundir o controlador com o theremin original, eletromagnético, monofônico, heteródino, sem "truques" e sem grandes recursos de síntese (no máximo controle de harmônicos).

O theremin é patenteado desde 1928 tanto como um método de geração de som quanto como um aparato para o mesmo fim, portanto não é correto chamar de theremin outros métodos de geração de som e outros aparatos. Para ler ou baixar o texto original da patente (inglês), aí vai o link: http://spellbound.purplenote.com/ThereminPatent.pdf

O melhor pro final: um muito bem informado. Uma propaganda de moto da Yamaha com solo de sintetizador imitando theremin, como as trilhas sonoras dos filmes de ficção científica das décadas de 40 e 50. Feito pelo Felipe, da LOUD produções.


E viva ao teremin no Brasil! Só vamos corrigir a grafia e alguns conceitos, pessoal! :-)

E me ajudem a divulgar informações confiáveis e música real feita com o teremin! Vamos acabar com o mito de que isso é só um brinquedo ou efeito especial, e vamos exaltá-lo como um instrumento como outro qualquer, com 90 anos de tradição!

19 de dez de 2009

Coquetel theremin

Um pouco de cultura thereminística:

Drink "Theremin"

  • 3 dedinhos de água tônica
  • 2 dedinhos de vodka RUSSA, a melhor que puder
  • 1 colher de curaçao
  • 1 colher de falernun
  • Coloque uns 2 cubos de gelo num copo duplo
  • Junte tudo e mexa
  • Solte o som: uma boa gravação de theremin (é claro)
  • Pronto, pode beber
  • Não dirija
  • Após ingerir bebida alcoólica, não toque theremin.
  • Não insista, é impossível tocar theremin bêbado, pois vc não consegue ficar imóvel em pé nem solfejar afinado.
Fonte: http://maunaloalounge.blogspot.com/2009/04/show-85-sam-hoffman-and-theremin.html

http://img11.imageshack.us/img11/5052/kurstindrink.jpg
[encontrem 1 copo e 1 garrafa ocultos na imagem acima]

Não provei mas achei um que provou e disse que é como uma caipivodka/caipiroska requintada e complexa. Depende totalmente da qualidade dos ingredientes.

Afinal, o que o theremin tem de chique, tem de brega ^^